segunda-feira, 27 de junho de 2011

MARA

Mara vira o cantar

Mara vira o olhar

O luar és ti

Que esteve em mim

Maravilha

Luar de Vênus teu habitat

Libriana que a paz encontrar

Maravilha

Flor da primavera

27 da era

Maravilha

Linda ela

Doce magrela

Carinhoso adjetivo

Poesia simples sem objetivo

A ti envio cativo presente

Do tempo que se via ausente

Docente do amor cativante

Maravilha teu andar elegante

Em tuas vestes se via

Maravilha ao sol do dia

27

Junto de saturno se faz o sete

Dos doze o sétimo de incerteza

Mas ser de imensa beleza

Como as sete Maravilhas

Mara vira

Rosa, violeta e margarida

Maravilha

Perfume fresco da flor florida

Primavera regida por Vênus

Deusa do amor

De olhar revelador

Do homem sonhador

Ser de indagações

de incertas definições

de certas ações e emoções

culturais cinemática literatura

filmes e livros ser de vasta cultura

poucas pessoas me encantam

enquanto canto Mara.

Maravilha.

Á Mara, do dia 27.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Melanina


Não ter, não será amar
como será amar o olhar
que penso e carrego
que sempre levo não nego

como seria sentir
o corpo a despir
a melanina suave
de bela veracidade

tamanho sorriso a vera
quando tenho em flores primavera
eterno são os olhos dela
minha menina bela

não cessa as chamas que se aquece
coração em flores se resplandece
mas padece nos instantes só
junto de ti poderia se ser melhor

comigo mesmo desejo eterno
ter meu aconchego em ti meu universo
madrugo sonhando sonhos acordado
efeito em ter ti a meu lado

perfume fresco de jasmins
és a mais linda flor de meu jardim
vejo revejo reviso meu amor
não seria amor sem dor. Amor

real intenção apresentação do ser
real noviço nobre que vive não só a viver
vivo em você pedacim de doce
saudades do beijo que tu me trouxe

trago lembranças eternas sinceras
se não fosses tu eterna cinderela
vai ser difícil encontrar um amor como seu
pois este que tenho nunca se faleceu

padeço dentro de mim
de não demonstrar o que sinto a ti
calafrios arrepios me vêem se aproximo
acelera-se coração quando lhe sinto

voz que toca com suas cordas
a harmonia sonora em horas
de assunto belo sorriso
este poderá ser o eterno castigo

mastigo dentes amarelados
o que me trousse maços de cigarros
apagados com seu cheiro de sofrimento
cinzas onde apagam sentimentos

neste cinzeiro coleciono frases
é triste em saber que se foram fases
frases fazes para se comunicar
meio para neste, meu amor nunca se apagar.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

sabe-se dos dias a dias que se entende
ao menos um questionamento
ao que o pensamento se eleva ao retrato do vento
vagando por entre as montanhas
vales
verdes das folhas morrom das secas
da terra arida
cheia de sofrimento e dor
ai entra o amor
entra o amor
aquecendo com seu calor
transformando em verão o inverno frio
tranzendo o sorriso limpido em detalhes
aquele que invade o ser
que passa a reconhecer o que é viver!
viver o ser e ser o ser pra viver
independe de luxuria, necessidade.
mas da pura verdade de ti a ti
sem inganações se hoje sou
eu sou
se sou eu o ser.
necessito viver pra ser o ser
cosmopolita, sem retração de si
galante, andante
com direitos de ir e vir.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Inovações do velho-novo mundo


Uma simples idéia transforma o mundo
Que arde de informações para formulações de ações
Pulo o muro do imundo mundo
Para concretização das ações
Verdades são verdades das cidades que se move
Me comove os assuntos que saem e correm
Elétrons se movem tensamente causando danos a mente
Do homem ciente cada vez menos inteligente
Pobreza de espírito na movimentação urbana
Decadência da família denominada humana
Paz, harmonia ao som dia me acalmo
Tomo chá para que este dia seja salvo
Da incidência da tendência urbana consumista
Para que o estado seja mais um a minha vista
Livro me das tentações programadas
Televisionadas nas ondas levadas as casas
Descubro o ar falso de velhos costumes
Para que no novo ar me aplume

domingo, 5 de junho de 2011